Projeto 30-69

Sleeping giant by juliedillon

Parte 1:

O ano é 3069, os recursos terrestres estão escassos, a tecnologia avançada demais. Grandes colônias lunares orbitam a Terra, como satélites, é onde as pessoas de poder ficam. E eu... sou apenas mais um dos milhares de humanos que definham aqui em baixo.
Estamos com medo, não podemos nem tentar reivindicar o que é nosso por direito: água, frutas, comida. Tudo o que é de melhor vai para eles, os poderosos, donos dos satélites, aqueles que tudo veem... semi-deuses.
Dinheiro não existe mais, esperança também não. Os militares lutam num último suspiro ao nosso lado, pois eles foram traídos também. Tentaram proteger aqueles que hoje riem de nós, em um momento em que ainda havia esperança, onde a esperança era nos mentida pelos que agora estão acima do céu.
Nós estamos tentando viver de forma rural, mas nem assim eles nos deixam viver. Roubam tudo que plantamos e conquistamos. Nossa labuta não é mais de nada.
Os militares estão falando sobre o projeto 30-69 ultimamente, mas eu não sei do que isso se trata.

Parte 2:

Hoje tive mais um dos pesadelos constantes que assolam minhas frágeis noites de sono. Talvez porque isso nunca tenha saído de mim. Essa culpa... essa sujeira.
Meus pais são uma das pessoas hoje poderosas. Eles estão acima de mim. Me deixaram definhando aqui... não porque quiseram, mas sim porque eu quis.
Tentaram me levar para cima, para o seu paraíso sideral. "Vamos fazer parte das colônias lunares no paraíso" ela disse pra mim "Compramos um dos melhores lugares na órbita" ele tentou me convencer, e eu só respondi: Não!
Eles me deixaram sem pensar duas vezes. Eu sorri.
Se o paraíso é onde eles estão agora, prefiro ficar aqui no meu inferno, onde pelo menos tenho dignidade, onde não tiro proveito de ninguém e onde ainda tenho porque lutar.
Enfim, acordei agora e o pouco que rodeei pela base militar ouvi falar em algo que há muito tempo não ouvia: ESPERANÇA!

Parte 3:

O projeto 30-69 é a nossa esperança. Os militares têm esse protótipo gigantesco e humanoide já faz alguns anos, eles só ajustaram algumas coisas, trocaram a carcaça por titânio, alumínio e aço. Para que sobrevoe em órbita tranquilamente. No fim das contas é uma espécie de robô gigante.
O plano em si é muito simples: "Alguém pilota o robô e se joga contra as colônias". O problema do plano é que ninguém quer desempenhar tal papel, pois aqui todos também são egoístas quanto lá em cima... bem... todos, menos eu. Eu me alistei para o projeto. O único voluntário. Agora estou recebendo o treinamento adequado para a execução do plano.
Eu sou a esperança do planeta terra voltar a ser o que era, como nas antigas histórias em que eu lia nos livros.

Parte 4:

Primeira vez que dormi tranquilamente desde que tudo isso aconteceu. Sonhei com a salvação, com um ato de bravura, comigo prestes a mudar as coisas.
Já vou direto para a base militar. Sento na unidade gigantesca 30-69. Os motores estão em propulsão. Decolagem perfeita!
Sinto a pressão quando cruzo a Ozonosfera. Vejo as bases paradisíacas, estão mais próximas do que eu pensava. Os cálculos militares foram minuciosos e perfeitos. Estou colidindo contra as colônias. Não posso conter o choro. Meu corpo todo explode no impacto, sinto-me evaporar.
Apesar de ter morrido eu sei que valeu a pena. Vendo uma estátua minha no centro da capital e as pessoas podendo viver normalmente de novo. Eu estive aqui para fazer a diferença.



De onde eu conto essa história? Do lado de dentro do espelho.