Rotina

Imagem de domínio público

Era uma vez um palhaço em meio a uma grande plateia. A plateia precisava somente dele e ele precisava somente dela. Como um bom colecionador de sorrisos os aplausos supriam o seu vício, mas tão logo um silencio o ensurdeceu e uma música circense respondeu:

 “Feliz na tristeza, triste na alegria; essa é a vida da nossa maioria. Por baixo dos panos, de dentro dos trajes; com rios de suor, é um grande ultraje. Buscando a alegria que tanto teima em fugir; a felicidade alheia insiste tanto em punir.”

O palhaço acordou assustado. Maquiou o rosto, botou o batom na boca, vestiu o seu traje largo e colorido, as grandes luvas sobre as mãos, calçou os enormes sapatos, colocou o sorriso no rosto e, por fim, a bolinha vermelha sobre o nariz... Sem conhecer a maldição que o faria infeliz.

Em seu rosto havia o riso que disfarçava a lágrima e com ele, saiu de casa.

Chegou à rua olhando diretamente para as sinaleiras, os seus aplausos logo se tornariam buzinas grosseiras.