Escorpião


Ó leal e verdadeiro amigo de escorpião
Ainda me lembro de tua primeira impressão:
Sombrio, misterioso quase sem expressão
Dono de ti, não me ouves e ages por emoção

O vermelho do teu sangue transpareces
Tingindo tuas costas a fênix resplandeces
Cai e pelos tombos não estremeces

Ó brutal, fria e odiada pessoa
Que de tempos em tempos me magoa
Faz de tua vingança a coroa
Lenta, fina que tanto machuca... como garoa

Possesso, não me deixas em paz
Com teu conselho, as vezes, nada sagaz
Mostras explicitamente quando não sou capaz